Domingo, 13 de Junho de 2010

Poema - Minha filha chora

Dispersos álbum

(do meu livro «Dispersos»)

 

Minha filha chora, namoro

de alguns anos terminado.

Foi mais uma tentativa, e choro,

doutro caso atormentado.

 

Minha filha chora, por dentro,

lágrimas de insegurança;

que apenas vejo, se entro,

nessa alma inda criança.

 

Minha filha chora, esconde,

mas surpreendo a brilhar

ao canto do olho, adonde,

a lágrima quer saltar.

 

Minha filha chora, disfarça,

sua dor de solidão.

Não quer que eu vislumbre a farsa

que ela, actriz, me monta em vão.

 

Minha filha chora, sozinha.

Evita mostrar desgosto

no seu rosto de menina, franzina.

Diz-me: «Rei morto, rei posto!»

 

Minha filha chora, esquece,

lágrima que não partilha.

E não quer preocupar-me, parece,

ela a mãe e eu a filha.

 

--------------------------------------

06/02/2003

Laura B. Martins
Soc. Port. Autores n.º 20958

publicado por LauraBM às 18:36
link do post | E custa, comentar neste blog? | favorito
 O que é?

*veja como eu sou

*subscrever feeds

*meter o nariz no blog

 

*Novidades no blog

* Poema - Alentejo e girass...

* Poema - Margem Sul

* Poema - Quinta do Anjo

* Poema - Patriotismo!

* Poema - Remorso!

* Poema - Encontro na marqu...

* Poema - Faca afiada

* Poema - Lar... doce lar!

* Poema - Difícil...

* Poema - Queres sair?

* Poema - Admirável mundo n...

* Poema - Meu universo rest...

* Ginástica? Não, obrigada...

* Poema - Zero horas

* Poema - Dispersos

*Antiguidades óptimas

*Também gostará de:

* 10 blogs para conhecer no...

* Sua presença basta

* Poema - Mais vale guardar...

*Links especiais dos Blogs da minha autoria

blogs SAPO