Sábado, 20 de Outubro de 2001

Poema - Testamento

(do meu livro «Pensamentos»)

 

O que hoje é importante,
vai acabar num instante;
quando a nossa descendência
rasgar tudo sem clemência.

 

Vou deixar em testamento,

os meus versos atrevidos;

para a família pensar,

quando entretida a rasgá-los,

que eles eram descabidos.

Não irá sobrar nenhum,

que os netos possam reler.

Não fará sentido algum,

estar gavetas a encher.

Folhas amarelecidas...

Letras e letras perdidas...

O poema era só meu.

E eu...

 

Sou alguém que morreu!

 

-----------------------------

8/2000

Laura B. Martins

Soc. Port. Autores nº 20958

publicado por LauraBM às 00:35
link do post | E custa, comentar neste blog? | favorito
 O que é?

*veja como eu sou

*subscrever feeds

*meter o nariz no blog

 

*Novidades no blog

* Poema - Alentejo e girass...

* Poema - Margem Sul

* Poema - Quinta do Anjo

* Poema - Patriotismo!

* Poema - Remorso!

* Poema - Encontro na marqu...

* Poema - Faca afiada

* Poema - Lar... doce lar!

* Poema - Difícil...

* Poema - Queres sair?

* Poema - Admirável mundo n...

* Poema - Meu universo rest...

* Ginástica? Não, obrigada...

* Poema - Zero horas

* Poema - Dispersos

*Antiguidades óptimas

*Também gostará de:

* 10 blogs para conhecer no...

* Sua presença basta

* Poema - Mais vale guardar...

*Links especiais dos Blogs da minha autoria

blogs SAPO