Sábado, 10 de Outubro de 2009

Poema - Apeadeiro

(do meu livro «Ao correr da pena»)

 

 

Combóio antigo, eras a lenha e a vapor;

na minha vida transportavas o amor.

Modernizado, a electricidade, rico...

mas é do outro que com saudades eu fico.

 

Restam lembranças dos teus penachos de fumo

e, também lembro, que a vida mudou de rumo.

Recordações dos teus apitos de alegria

ainda tenho. Transportavas fantasia.

 

Segues viagem, sem ter dó nem piedade.

Automotora viraste e em velocidade

passas por mim, sem reparar que sou estação-

 

-apeadeiro, antiga. Desilusão!

Não tenho escadas rolantes mas há um bosque

atrás de mim. Inda há jornais no quiosque!

 

---------------------------

20/10/2001

Laura B. Martins

Soc. Port. Autores nº 20958

publicado por LauraBM às 21:28
link do post | E custa, comentar neste blog? | favorito
 O que é?

*veja como eu sou

*subscrever feeds

*meter o nariz no blog

 

*Novidades no blog

* Poema - Alentejo e girass...

* Poema - Margem Sul

* Poema - Quinta do Anjo

* Poema - Patriotismo!

* Poema - Remorso!

* Poema - Encontro na marqu...

* Poema - Faca afiada

* Poema - Lar... doce lar!

* Poema - Difícil...

* Poema - Queres sair?

* Poema - Admirável mundo n...

* Poema - Meu universo rest...

* Ginástica? Não, obrigada...

* Poema - Zero horas

* Poema - Dispersos

*Antiguidades óptimas

*Também gostará de:

* 10 blogs para conhecer no...

* Sua presença basta

* Poema - Mais vale guardar...

*Links especiais dos Blogs da minha autoria

blogs SAPO