Domingo, 10 de Outubro de 2010

Poema - Faca afiada

(do meu livro «Meu mundo 'cá dentro'»)

 

No meu quarto, sozinha, meditando...

tiro uma teia, arrumo, aspiro pó;

enquanto na vidraça embaciando,

faço versos à vida e sinto dó.

 

Dó por este meu corpo, sem carinho,

que murcha como planta sequiosa.

Seca, dia a dia, devagarinho,

enquanto abelha sou, laboriosa.

 

Protegi o meu lar, enquanto pude,

já fui abelha mestra, sem rival.

Por conviver com gente um tanto rude,

 

ergui muros de pedra, dei-lhes cal.

Sou faca afiada, viro o gume

para quem, hoje, quer fazer-me mal.

 

---------------------------

13/09/2002

Laura B. Martins

Soc. Port. Autores nº 20958

publicado por LauraBM às 23:01
link do post | E custa, comentar neste blog? | favorito
 O que é?

*veja como eu sou

*subscrever feeds

*meter o nariz no blog

 

*Novidades no blog

* Poema - Alentejo e girass...

* Poema - Margem Sul

* Poema - Quinta do Anjo

* Poema - Patriotismo!

* Poema - Remorso!

* Poema - Encontro na marqu...

* Poema - Faca afiada

* Poema - Lar... doce lar!

* Poema - Difícil...

* Poema - Queres sair?

* Poema - Admirável mundo n...

* Poema - Meu universo rest...

* Ginástica? Não, obrigada...

* Poema - Zero horas

* Poema - Dispersos

*Antiguidades óptimas

*Também gostará de:

* 10 blogs para conhecer no...

* Sua presença basta

* Poema - Mais vale guardar...

*Links especiais dos Blogs da minha autoria

blogs SAPO