Segunda-feira, 20 de Agosto de 2001

Poema - Palavras, pra quê?

(do meu livro «Pensamentos»)

 

Meu pensamento diverso

vagueou p’lo infinito.

Caminhou num universo

de palavras que um maldito

inventou, pra confundir

tudo aquilo que eu sentia

e precisava expandir.

A boca nada dizia;

os olhos é que falavam

quando, em relance, abarcavam

tudo que era poesia.

 

Pra quê inventar palavras,

se tanta coisa dizemos

sem pensar e sem sentir?

Deviam ser como escravas,

o imenso rol de palavras,

jamais poderem sair;

se não nos apercebemos

de todo o mal que fazemos,

só por nossa boca abrir.

 

E enquanto os olhos falavam

e as bocas se calavam

pra não gerar confusões...

deixavam-se os pensamentos

conversar com os sentimentos,

discutir co´as ilusões ...

Num mundo de emudecidos...

imperavam os sentidos,

viviam-se as sensações

do reino dos animais.

Diferentes mas iguais.

Silenciem, multidões!

 

-----------------------------

10/2000

Laura B. Martins

Soc. Port. Autores nº 20958

publicado por LauraBM às 23:54
link do post | E custa, comentar neste blog? | favorito

*veja como eu sou

*subscrever feeds

*meter o nariz no blog

 

*Novidades no blog

* Poema - Alentejo e girass...

* Poema - Margem Sul

* Poema - Quinta do Anjo

* Poema - Patriotismo!

* Poema - Remorso!

* Poema - Encontro na marqu...

* Poema - Faca afiada

* Poema - Lar... doce lar!

* Poema - Difícil...

* Poema - Queres sair?

* Poema - Admirável mundo n...

* Poema - Meu universo rest...

* Ginástica? Não, obrigada...

* Poema - Zero horas

* Poema - Dispersos

*Antiguidades óptimas

*Também gostará de:

* 10 blogs para conhecer no...

* Sua presença basta

* Poema - Mais vale guardar...

*Links especiais dos Blogs da minha autoria

blogs SAPO